1º Fórum de Turismo e Espiritualidade discute o potencial de rotas religiosas

Hida: inspirar novos negócios

O Unibes Cultural, em São Paulo, recebeu hoje (18) o 1º Fórum de Turismo e Espiritualidade. Com organização da Promonde, o evento explorou as possibilidades e potenciais em rotas religiosas e espirituais no Brasil e no mundo. 

Com início às 19h, o fórum foi aberto por Ricardo Hida, CEO da Promonde e organizador do evento. “Percebemos uma demanda por parte dos agentes de viagens para trazer mais a tona e conversar sobre o turismo espiritual. Espero que aproveitem o evento para se inspirar em novos negócios, novas ideias e evoluam suas ofertas de destinos”, disse Hida. 

França e a espiritualidade

Fórum de Turismo e EspiritualidadeCaroline destacou os principais destinos religiosos da França

A primeira apresentação da noite ficou à cargo de Caroline Putnoki, diretora da Atout France para a América Latina. A francesa discursou sobre como a França, o país mais visitado no mundo, integra a religião e a busca pelo espírito no turismo. 

De acordo com a diretora, dos 90 milhões de turistas anuais que o país europeu recebe, 20 milhões são por motivos religiosos ou espirituais. “O turismo sempre foi ligado à espiritualidade, desde o início dos tempos, por meio das peregrinações e buscas por locais sagrados e milagrosos. Essas peregrinação, em certo momento, viraram negócios. Na França, esse mercado cresce e evolui a cada ano, recebendo não apenas grupos de peregrinos, como também apreciadores de arte, patrimônio histórico, cultura e pessoas em busca de experiências que os tragam mais perto de si”, afirmou Caroline. 

O país possui cerca de 50 mil monumentos religiosos, sendo 10 mil deles classificados pela Unesco, e 163 santuários. Com essa riqueza em patrimônio espiritual, a Atout France montou quatro roteiros pelo país com esse recorte. O primeiro, pelo noroeste da França, por sete cidades, incluindo Mont Saint-Michel, Lisieux, Alençon, Chartres, Tours,  Angers e Sainte Anne D’auray. Neste, Mont Saint-Michel é a atração principal, com uma abadia construída no ano 700 d.C

O roteiro pelo leste francês passa por Metz, Guebwiller, Vézelay, Nevers, Souvigny e Paray-le-Monial. Neste passeio o visitante encontra a rota dos vilarejos, vinhedos e passa pela região berço da arte românica. Em Nevers, é possível visitar a capela onde o corpo de Santa Bernadete repousa. Já a rota sudeste passa pelos campos de lavanda e pontos espirituais importantes como o Palácio dos Papas de Avignon, Abadia de Saint-Gilles, Saintes Maries de la Mer, Cotignac, Saint Maximin, Le Pun-en-Velay e Notre-Dame de la Salette. 

Por fim, o roteiro sudoeste inclui a segunda cidade mais visitada da França: Lourdes. Com início em Rocamadour, em que a cidade e igrejas parecem ter sido esculpidas no rochedo, o visitante parte para a cidade do santuário da Nossa Senhora de Lourdes. O município recebe cerca de 15 milhões de turistas anualmente, 70% estrangeiros, possuindo o segundo maior mercado hoteleiro da França. Durante a apresentação, Biltrand Bilger, CEO do aeroporto de Lourdes, anunciou novo voo direto entre a cidade francesa e Lisboa. O intuito é conectar com mais facilidade o Brasil ao destino. Serão duas frequências semanais operadas pela low-cost Ryanair

Rotas brasileiras

Fórum de Turismo e EspiritualidadeSão Paulo busca promover destinos do estado

Também participaram do evento Vinicius Lummertz, secretário estadual de Turismo de São Paulo, e Tâmara Cardoso, chefe de setor da Secretaria de Turismo do Estado da Bahia e supervisora Pedagógica do Grupo Cultural Olodum. Os representantes dos destinos brasileiros falaram sobre medidas tomadas para promover o turismo espiritual. 

De acordo com Lummertz, o Governo de São Paulo está montando ações específicas para o turismo religioso no estado, que possui as Rotas da Fé, que levam à Aparecida do Norte. “No momento estamos ouvindo grupos que trabalham com o turismo religioso no estado para montar programas com as especificidades necessárias para cada destino. Acredito na cooperação internacional e aprender com destinos que já fazem esse trabalho muito bem, como é o caso de Lourdes que tem uma montagem funcional e testada”, disse o secretário. 

No caso de Salvador, que conta com a Rota dos Orixás e mais igrejas do que dias no ano, Tâmara chamou a atenção para o trabalho com a promoção do candomblé. 

“Vimos que os turistas sentiam falta de conhecer mais a fundo esses pontos, queriam jogar capoeira e conhecer um terreiro de candomblé. Agora, igrejas católicas podem cobrar entrada, de visitantes que querem conhecer os templos, mas nos terreiros não, é outro mundo. O desafio foi como desenvolver o turismo nessa matriz religiosa sem perder com o respeito e integridade da religião”, contou.

Fórum de turismo e espiritualidadeCandomblé é um dos atrativos do turismo baiano

“Hoje temos experiências soltas, como workshops de toques do candomblé para quem quer ter contato com o atabaque; e gastronômicos que mostram as comidas usadas nos rituais. Assim como capacitação dos guias que orientam o visitante para que se mantenha o respeito ao visitar um terreiro, que também é um local sagrado”, acrescentou. 

Experiência Israel

fórum de turismo e espiritualidadeIsrael agrada gregos e trioanos em matéria de turismo religioso

O último painel tratou do case Israel como destino religioso e espiritual. A cidade de Jerusalém é uma das poucas no mundo que agrega, ao mesmo tempo, importância religiosa tanto para judeus, cristão e muçulmanos. 

De acordo com Carolina Dias, do Ministério do Turismo de Israel, o país recebeu 4 milhões de turistas em 2018. Neste ano, até agosto, 50 mil brasileiros visitaram o país, devendo bater recorde de 70 mil até o fim do ano. “O carro chefe do turismo de Israel é a viagem religiosa, sendo a motivação de 90% dos viajantes brasileiros, em sua maioria cristãos”, comentou.

Grupos de cristãos, judeus e evangélicos são o maior público do lugar, ultrapassando o turismo individual. Uma das principais atrações é o batizado no Rio Jordão, que conta com estrutura completa para a experiência. 

Apesar disso, Israel oferece muito mais do que religião. A cidade possui grande riqueza em história e cultura, podendo agradar até mesmo ateus. “Tel Aviv, por exemplo, é uma cidade jovem, com vida noturna, passeios no deserto, degustação de vinhos, muito além da religiosidade, que pode ser incluída em qualquer roteiro. Israel é um país pequeno onde é possível atravessar em poucas horas de carro, possibilitando uma viagem muito diversificada”, afirmou Tarcila Ferro, editora da Revista Viajar Pelo Mundo.

Para finalizar, tirando a ideia de que Israel é um destino apenas para viajantes com orçamento apertado, Marcelo Michieletto, sócio-diretor da MH Tour, afirma que o destino tem potencial para o luxo. “Há muitas possibilidades para viagens de alto padrão. Israel é diverso em vários sentidos, oferecendo experiências privadas, como degustação de vinhos na planície da Judéia”, comentou.

(*) Crédito das fotos: Juliana Stern/Hotelier News

Comentários