A hotelaria já se atentou ao potencial do Google Maps?

google mapsRealidade aumentada e pinos patrocinados estão entre as novidades a ser lançadas 

O Google vem preparando novos produtos para monetizar em cima de anúncios dentro do Google Maps. Segundo pesquisa do Morgan Stanley, novas opções de publicidade da ferramenta devem ser lançadas no quarto trimestre deste ano. Entre eles, recursos ligados ao setor de viagem, realidade aumentada e pinos promovidos, que podem abrir novas possibilidades para a hotelaria. 

Na avaliação do banco americano, listagens patrocinadas serão vistas como elemento-chave para a publicidade na plataforma, já que podem render muitos leads qualificados. Isso permitirá que grandes varejistas, marcas e empresas locais, como hotéis, alcancem potenciais clientes mais facilmente a partir de geolocalização. 

Exemplo: bastará o consumidor pesquisar “hotéis perto de mim” que uma infinidade de opções aparecerá. Ok, isso já é possível atualmente, mas os novos features previstos vão tornar a experiência do consumidor ainda melhor. É justamente aí que a empresa de Moutain View centraliza suas apostas para impulsionar as receitas de publicidade no Google Maps, atualmente disponível em mais de 240 países e territórios.

Google Maps: monetização 

Hoje, o Google Maps fatura cerca de US$ 3 bilhões com publicidade, segundo reportagem do Skift. Não fica claro no texto se o montante se refere apenas ao mercado americano, mas fato é que, ao lançar ads para computadores e dispositivos móveis, a trajetória está ascendente. 

Além disso, os novos features servem como porta de entrada para anúncios em outras unidades de negócios da gigante de tecnologia, casos do Google Hotels e Google Flights (no computador). “(os novos produtos) provavelmente aumentarão ainda mais o utilitário do usuário e o potencial de monetização do Google Maps”, diz um trecho do estudo do Morgan Stanley.

Para 2020, a estimativa da instituição financeira é que o Google Maps gere US$ 1,6 bilhão em receita adicional de anúncios frente a este ano. A projeção pressupõe que os anúncios serão exibidos apenas em 45% das consultas de pesquisa. Além disso, apenas um terço do faturamento publicitário do Google Maps será incremental para a empresa. 

Com isso, o Morgan Stanley prevê que as receitas oriundas de search tanto no computador (US$ 1,23 bilhão), quanto mobile (US$ 9,82 bilhões), somem mais de US$ 11 bilhões em 2023.

(*) Crédito da foto: Deepanker Verma/Pixabay 

Comentários