Alterações no Fungetur beneficiam micro e pequenas empresas

fugenturMedida diminui a burocracia para empresários acessarem linhas de crédito do fundo

O MTur (Ministério do Turismo) tomou medida que facilita o acesso de micro e pequenas empresas do setor de turismo à linhas de crédito do Fungetur (Fundo Geral de Turismo). A pasta publicou, no Diário Oficial da União (DOU), portaria que altera as normas gerais e os critérios de aplicação dos recursos do programa. A medida tem como objetivo diminuir a burocracia desses empresários em contratar operações de financiamento em condições favoráveis ao desenvolvimento de seus negócios.

Com as mudanças, esses empreendedores terão à disposição uma linha de capital de giro própria; Também terão a possibilidade de financiamento associado aos projetos de investimentos e aquisição de bens. Além disso, terão a oportunidade de utilizar fundos garantidores, reduzindo as exigências para a captação de recursos, como a oferta de bens dos mesmos como garantia.

Para Robson Napier, secretário nacional de Estruturação do Turismo, a mudança é mais uma ação do ministério para deslanchar o desenvolvimento do setor no país. “A alteração permitirá ao Fungetur, além de se tornar uma linha de crédito mais atrativa e competitiva, cumprir com mais efetividade o seu papel de indutor do desenvolvimento do setor de turismo, por meio da facilitação de acesso a recursos de financiamento para que, principalmente, os pequenos negócios realizem seus investimentos”, diz.

Fungetur: beneficios 

O Fundo Geral de Turismo dispõe de R$ 450 milhões que poderão beneficiar cerca de 1,5 mil empreendimentos. Os acordos podem gerar 7,5 mil empregos direto no setor de turismo. 

O programa ainda oferece, para as empresas cadastradas no Cadastur, prazos de até 20 anos para pagamento de financiamento para investimentos fixos, com carência máxima de cinco anos. Para investimentos de capital de giro, o pagamento é de até quatro anos, com carência máxima de seis meses. O custo é calculado pela variação do INPC e juros máximos de 5% a 7% ao ano, dependendo da finalidade do financiamento.

(*) Crédito da foto: Joel santana Joelfotos/Pixabay 

Comentários