App de reserva last minute, VisitNow é apresentado em SP

VisitNow - Bruno GuimarãesGuimarães: consumidos está mais fiel à preço do que qualquer outra coisa

Plataforma destinada para reservas online de última hora, conhecidas como last minute, o VisitNow foi pré-lançado hoje (16), em São Paulo. Projeto capitaneado por Bruno Guimarães, ex-Vert Hotéis, a startup visa conectar consumidores e hotéis, reduzindo ainda a ociosidade nos empreendimentos parceiros para aumentar seu faturamento. 

A empresa vê potencial para atender à toda hotelaria. Ainda assim, pretende ser, sobretudo, um braço de apoio dos independentes, que têm escassos recursos para investir em marketing digital e distribuição. “A plataforma foi pensada para mudar um pouco esse paradigma de comissionamentos tão altos”, disse Guimarães, referindo-se às OTAs. “Sou hoteleiro, conheço as dores do setor e sei como a tecnologia pode ajudar”, completou o executivo, que foi um dos palestrantes do 19º Encontro de Hotelaria e Gastronomia Mineira, realizado no início do mês, em Brumadinho (MG).

Segundo Guimarães, os estudos para lançamentos do app levaram dois anos. No levantamento, a VisitNow mapeou a existência de vacância de 45% nos hotéis, que ficam com quartos vazios durante a noite, o que gera despesas. Em paralelo, a startup analisou a jornada de compra dos chamados heavy users de apps de viagens, consumidores que estão sempre em busca de descontos de última hora.

“As pessoas que consomem viagem ficam muito tempo monitorando promoções. E, posso dizer uma coisa, há muito mais fidelidade a preço do que à marca hoje em dia”, avalia. “Queremos ser uma opção de solução para o mercado. Ajudar a hotelaria, principalmente independente, a entrar na tecnologia e diminuir o custo com comissões”, acrescentou.

Para Guimarães, a hotelaria precisa entender que não vende mais apenas quartos, e isso deve se refletir na estratégia comercial e de distribuição. “Apartamento virou commodity. Muitas vezes vale a pena flexibilizar a tarifa e fazer com que o cliente venha ao hotel e gaste mais no restaurante, que pode ter uma margem muito maior”, comentou. “Então, a venda last minute pode entrar aí, revertendo o que em teoria seria um prejuízo para lucro”, completou.

VisitNow: próximos passos

Guimarães revela que a meta é fechar o ano com pelo menos 1 mil hotéis dentro da plataforma. Outro objetivo é encerrar 2019 com algo próximo a 40 mil downloads do app. “Estou à disposição do mercado. Quero rodar o país, fazer muitos contatos, participar do máximo de eventos e feiras possível para estar próximo do hoteleiro”, revela.

Para ficar mais conhecido do público final, o plano da VisitNow é investir tanto em mídia online, quanto offline. No segundo caso, por exemplo, a empresa deve ter sua marca exposta na camisa de um clube de futebol. “É no universo digital que aportaremos mais recursos em mídia, principalmente para aquisição de clientes. Estimamos um gasto aproximado de R$ 4 milhões até o final do ano no digital”, revela o executivo, que tem como sócio investidor o Grupo Cercred

A forma de monetização da empresa acontece por meio do pagamento de uma taxa fixa de R$ 5 por transação. Oura fonte de receita possível é a venda de publicidade para hotéis dentro da plataforma. “Queremos ser também mídia para nossos parceiros, para que ele possa se posicionar melhor na plataforma, mas isso fica para um segundo momento. Agora, nosso foco é atrair os hotéis para nossa base”, finaliza.

(*) Crédito da foto: Vinicius Medeiros/Hotelier News

Comentários