Economia deve crescer 0,9% em 2019, projeta BC

bcBC vê elevação de 0,87% no PIB

O BC (Banco Central) divulgou hoje (26) as estimativas para o crescimento econômico  este ano. De acordo com o relatório, a economia brasileira deve atingir os 0,9% de incremento. Para 2020, a projeção de alta dobra com o afrouxamento dos juros básicos. O PIB (Produto Interno Bruto) também apresenta ligeira melhora em relação à taxa de 0,8% estimada, prevendo expansão de 1,8% no ano que vem. Os dados são da Reuters.

Em comparação, economistas consultados pelo BC na mais recente pesquisa Focus veem elevação de 0,87% para o PIB neste ano, mas são mais otimistas quanto ao desempenho do ano que vem, com crescimento esperado de 2,00%. Segundo a entidade, a perspectiva para 2020, que divulgou pela primeira vez, está envolta em “elevado grau de incerteza” e está também condicionada à continuidade das reformas e ajustes na economia.

Pelo lado da oferta, o desempenho deverá ser puxado pela agropecuária, com crescimento esperado de 2,6% no ano que vem, sobre 1,8% em 2019. O BC também vê recuperação expressiva na indústria, com elevação de 2,2% em 2020, ante apenas 0,1% neste ano. Para as atividades de serviços, a expectativa é de avanço de 1,4% em 2020, contra 1,0% neste ano.

“A projeção para o setor secundário repercute expectativa de desempenho favorável de todos os setores, com destaque para a indústria extrativa, refletindo previsão de aumento da produção de petróleo e de continuidade da recuperação da produção de minério de ferro”, disse o BC.

Pelo lado da demanda, o BC vê aceleração no consumo das famílias, com alta de 2,2% em 2020 sobre 1,6% neste ano, e na formação bruta de capital fixo —linha ligada aos investimentos das empresas—, que deverá subir 2,9% em 2020, ante 2,6% neste ano.

Já o consumo do governo deve ir para o campo positivo, com alta de 0,5% em 2020, ante retração de 0,3% em 2019, apontou o BC. Para as exportações e importações, a autoridade monetária vê avanço de 1,7% e 1,6% em 2020, respectivamente, contra diminuição de 0,5% e alta de 1,9% neste ano, também respectivamente.

Em relação à melhora na estimativa para a atividade econômica deste ano, o BC ponderou que o resultado melhor que o esperado para o PIB do segundo trimestre favoreceu o carregamento estatístico para 2019, contribuindo para a revisão para cima.

“A projeção ora apresentada considera ritmo de crescimento ainda lento no terceiro trimestre, em linha com indicadores coincidentes divulgados até o momento, e aceleração no quarto trimestre, para a qual deve contribuir o impulso das liberações extraordinárias de recursos do FGTS  (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e do PIS (Programa de Integração Social) e PASEP (Programa de Formação de Patrimônio do Servidor Público)”, assinalou o BC no relatório.

BC: juros

No documento, o BC também repetiu mensagem de que vê espaço para continuidade no ciclo de redução da Selic, após o  Copom (Comitê de Política Monetária) ter cortado a taxa de juros em 0,50 ponto percentual mais cedo neste mês, à mínima histórica de 5,50% ao ano.“O Comitê avalia que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo (monetário)”, disse.

O BC destacou também que as diversas medidas de inflação subjacente estão em níveis considerados confortáveis, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária. Mais cedo nesta semana, o IBGE divulgou que o IPCA-15, considerado prévia da inflação oficial, acumulou em 12 meses até setembro uma alta de 3,22%. A meta oficial de inflação é de 4,25% pelo IPCA, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

(*) Crédito da foto: João Geraldo Borges Jr/Pixabay

Comentários