Três perguntas para: Deyzi Weber

Deyzi Weber - três perguntasDeyzi: colaboradores multitarefas e flexíveis terão destaque na retomada

No momento da retomada, além dos protocolos de segurança, a saúde emocional dos colaboradores será um dos pontos de grande relevância nas operações. Com a enxurrada de acontecimentos nos últimos meses, muitos profissionais retornam às suas atividades abalados e desmotivados. Deyzi Weber, gerente corporativa de RH (Recursos Humanos) da ICH, dá o caminho das pedras de como acolher e engajar quem ainda manteve o emprego.

Gaúcha de São Borja, mudou-se para Porto Alegre nos anos 80 para estudar Psicologia na PUC-RS. Pós-graduada em Gestão Estratégica de Pessoas pela mesma instituição, Deyzi ainda cursou Gestão de Negócios pela Fundação Dom Cabral. Participante da diretoria da ABRH-RS (Associação Brasileira de Recursos Humanos - Rio Grande do Sul) e integrante do  Comitê Estratégico de RH da AMCHAM-RS, a profissional sempre se interessou pelo comportamento humano.

“Sempre tive um interesse genuíno por pessoas, observar seus padrões, escolhas, motivações, falas etc. Ainda na faculdade, me conectei com o intenso e contagiante ambiente de negócios. Não deu outra, estou a quase três décadas nesse meio”, destaca. 

Por 18 anos, atuou na Sindus Andritz e agora na ICH, ela se diz privilegiada por ter a oportunidade de trabalhar com lideranças engajadas. “Me sinto privilegiada de ter convivido com CEOs e executivos incríveis na minha trajetória, como, atualmente, na ICH, ou na Sindus Andritz. O RH tem uma presença marcante na ICH e tem contribuído com o fortalecimento da employer branding. Posso destacar que a empresa conquistou três vezes o Great Place To Work, incluindo uma premiação específica na Hotelaria Nacional. Sem falsa modéstia, somos desejados no mercado hoteleiro”. 

Para equilibrar as intensas horas de trabalho, a gerente usa seu tempo livre para meditar e aproveitar a família. “Na convivência familiar, tenho aprendido com meu esposo a valorizar os momentos juntos e transformar as refeições em uma celebração. Como gostamos muito de viajar, viver diferentes culturas, essas experiências têm vindo à nossa mesa e nos divertido com boas lembranças”. 

Três perguntas para: Deyzi Weber

Hotelier News: Após tantos acontecimentos, os colaboradores retornam com um estado emocional abalado. De que forma a ICH pretende trabalhar essas questões e motivar seus funcionários?

Deyzi Weber: Todos fomos impactados, física, emocionalmente e financeiramente. As pessoas sentem-se inseguras com medo da contaminação, dificuldade para compreender a nova realidade e instabilidades no mercado. Tudo se transformou rapidamente, os ciclos são de curto prazo e a realidade ainda é nebulosa. Visualizo que cada um ao seu tempo e seu modo está aprendendo a dominar essa situação, alguns com ferramentas pessoais, autonomia e equilíbrio, outros, com mais sofrimento emocional e precisando de suporte. Neste sentido, mantivemos desde o início da pandemia um fluxo contínuo e aberto com nossos gerentes gerais e gestores, que são chaves no sucesso e alinhamento às estratégias. Assim, estamos preparando e nutrindo-os com conteúdos inspiradores e orientações práticas para conduzirmos o welcome back do time e operação. O RH também conduziu rodas de conversas para promover troca e acolhimento. Acolhimento e segurança fazem parte das ações. Na retomada, temos o compromisso de priorizar a saúde e segurança do nosso time e hóspedes. Diálogo e orientações são ferramentas importantes para lidar com emocional. Focamos também em fortalecer os ritos que praticávamos anteriormente, como celebrações e Colaborador Destaque, sempre respeitando os protocolos. E claro, alinhado com a liderança, estamos mapeando dia a dia e tratando os casos específicos.

HN: Em um futuro próximo, redes hoteleiras precisarão realizar novas contratações. Quais serão os principais pré-requisitos e qualidades que o colaborador precisará apresentar diante do "novo normal"?

DW: As transformações no mundo e no perfil de consumo já estavam em curso. A pandemia provocou a virada da chave. Certamente, teremos muitos impactos no mercado de trabalho e contratações, mas ainda não podemos afirmar se irão se consolidar rapidamente em nossa vida. Neste momento, são muito valorizados os perfis mais multitarefas. Colaboradores flexíveis, open mind, espírito inovador, empáticos e gosto por solucionar problemas são bem-vindos. Valorizamos muito a prata da casa! Será um desafio capacitar nosso time com o curso de uma profunda mudança de hábitos a ser implantada.

HN: Grandes crises trazem grandes aprendizados. O que o departamento de RH da ICH aprendeu? Processos foram revistos? O que mudará daqui para frente?

DW: Ainda estamos decupando essa intensa experiência. Todos encolhemos, seja na pessoa física e na jurídica. A escassez ensina exercitarmos continuamente a criatividade, fazer mais com menos, revisitar prioridades, administrar o ego, dar passagem para o que realmente importa, conectar com o propósito, lidar com resiliência, compreender mais um ao outro. Penso que “na marra” todo mundo entendeu que é possível estar distante, mas juntos pela tecnologia. O digital chegou e não sairá mais. Por exemplo, faremos PDL e PDG web. O fone de ouvido tem sido nosso melhor amigo!

(*) Crédito da foto: Cristiano Sant'Anna/ICH

Comentários